quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Quase vinte

Quase vinte, mas ainda dezenove. Tantas coisas mudaram e muitas coisas ainda vão mudar.
Outras coisas nunca mudam. Quase vinte com rosto de dezesseis e a altura nem se fala.

Quase vinte e ainda na mesma casa. Mas o quarto mudou bastante.
Depois de inúmeros dias chuvosos e várias tempestades internas. Quase vinte e quase sol.

Quase vinte, mas ainda dezenove primaveras. Verões, outonos e invernos também são importantes de se contar.
Perdas irreparáveis e ganhos inesquecíveis. Quase vinte e ainda sonhando demais.

Quase vinte, quase pronta. Mas preparada para os obstáculos.
Quase vinte e a tatuagem do símbolo do infinito que planejou fazer há alguns anos atrás, não foi estampada no pulso. Mas leva na costela a palavra "Maktub", para lembrar que o destino já está escrito.

Quase duas décadas, muitas histórias para contar, mas pouca experiência para passar.
A frase atrás da porta já não é a mesma. Quase vinte e agora "nossa mente é o nosso lar" está escrito em preto na madeira.

Quase vinte, nem tão velha, nem tão nova. Velha para brincar de boneca, nova para "brincar de casinha".
Com quinze achava que era adulta, percebeu que com quase vinte ainda não sabe o bastante.


Foto: Tumblr